Odeceixe Pesca

E Região de Odeceixe

Odeceixe é uma boa zona para a pesca de cana, pesca submarina e apanha de marisco. Nesta zona podem capturar-se diversas espécies, as mais comuns são robalos, sargos, safias, douradas e avárias. A pesca pode ser feita de dia ou à noite com o respetivo colete salva-vidas.

Os mariscos mais comuns nesta zona são: percebes, mexilhão, santolas, ostras, caranguejos, berbigão e amêijoas.

Odeceixe pesca e Azenha do Mar

O porto de pesca da Azenha do Mar é a porta de entrada para o mar dos pescadores de sua maioria vindos de Odeceixe. Outrora o peixe chegava a Odeceixe em cima de burros e era anunciado na rua nova por meio de um búzio assoprado.

Fotos - Odeceixe Pesca e Azenha do Mar:

casas de pescadores
azenha do mar
pescadores
pesca
odeceixe pesca

Limites à captura diária - Odeceixe Pesca, Azenha do Mar e Região

Diário da República, 1.ª série — N.º 16 — 23 de janeiro de 2014

Artigo 12.°

  1. — O peso total das capturas diárias na pesca lúdica não pode, no seu conjunto, exceder 10 kg por praticante, não sendo contabilizado para o efeito o exemplar de maior peso, sendo que para a pesca submarina este limite é de 15 kg, não sendo igualmente contabilizado o maior exemplar.
  2. — O peso das capturas diárias de organismos marinhos, excluindo peixes e cefalópodes, não pode, no seu conjunto, exceder 2 kg por praticante.
  3. — Cumulativamente com o limite estabelecido no número anterior, e sem prejuízo do disposto no n.° 1, é autorizada a captura de 3 kg de mexilhão (Mytilus spp), de 5 kg de ostra (Crassostrea spp) e de 5 kg de amêijoa –japonesa (Ruditapes philippinarum), por dia e por praticante.
  4. — O limite de captura diária para anelídeos é de 0,5 litros por praticante, não incluindo os casulos neste limite, não sendo permitida a sua captura com raspagem das superfícies rochosas.
  5. — Com exceção da pesca submarina e da pesca–turística e sem prejuízo do disposto nos números anteriores, quando a bordo de uma embarcação de recreio existam mais de três praticantes, o limite total das capturas não pode exceder 25 kg, não sendo contabilizado para o efeito um exemplar de maior peso para cada praticante.
  6. — Quando tenha sido atingido o peso máximo a que se referem os números anteriores é proibido continuar a pescar, exceto nas competições de pesca desportiva.
  7. — Os exemplares capturados em competições de pesca desportiva devem ser mantidos em condições de sobrevivência e devolvidos à água.
  8. — Para efeitos do controlo das quantidades capturadas, o pescado apenas pode ser transportado pelo praticante de pesca lúdica que efetuou a captura.
  9. — Para efeitos da diferenciação do pescado objeto de captura na atividade de pesca lúdica, é obrigatória a marcação de todos os exemplares capturados, antes do abandono do local de pesca, quando a mesma for praticada a partir de terra, ou do desembarque, quando seja exercida em embarcação, através da aplicação de um corte na respetiva barbatana caudal, conforme indicado no anexo III à presente portaria, que dela faz parte integrante, com exceção da pesca submarina.
  10. — Por despacho do diretor-geral da DGRM, mediante parecer do Instituto Português do Mar e da Atmosfera, I.P., e, estando em causa áreas classificadas, do Instituto da Conservação da Natureza e das Florestas, I.P. (ICNF, I.P.), podem ser alterados ou fixados limites diários, por praticante, das capturas por espécie e por local de pesca.